3 de mai de 2012

TV and the Sexy Channels

Qual a configuração do cenário rock em Campina Grande? O que pensa uma banda que faz parte desse meio?*

Entrevistamos os membros da banda Tv and the Sexy Channels para saber sobre a trajetória do grupo, influências, planos para o futuro e, claro, o que pensam sobre o lugar do rock em Campina Grande. A formação atual é composta por Kamila Tavares, vocalista, Guilherme Nery na Guitarra, Ícaro Truta, baixista, e TV na bateria.



Breve histórico da banda 

A Tv and the Sexy Channels surgiu a partir da formação da banda All Junkies. De acordo com os integrantes, a principal mudança é a proposta musical. Agora a banda será essencialmente autoral, com um repertório feito em sua maioria pelas nossas composições e complementando com alguns clássicos do rock, nos afirma Kamila Tavares e cita como exemplo a música Ace of Spades, de Motorhead.

A escolha dos ritmos das músicas é diversificada. Liberdade na hora de compor é fundamental. Temos música com uma pegada mais crua, clássica, outras meio indies, estamos trabalhando num blues e por ai vai. O fator comum entre as músicas é que em sua maioria são dançantes, com letras sobre o famoso "rock star way of life", sexo, drogas e rock n' roll.

Cada pessoa dentro de uma banda é um mundo de influências. E com a Tv and the Sexy Channels não poderia ser diferente. Citam como inspirações bandas clássicas, como Motorhead, AC/DC, Black Sabbath, Nirvana, Pink Floyd, Beatles e outras contemporâneas, Red Hot Chilli Pepers, Arctic Monkeys e The Strokes.


Principais locais de shows. Quais os espaços em Campina voltados ao público roqueiro e alternativo?

Quando a banda era All Junkies, a gente praticamente só tocava no antigo Bronx Bar, que hoje em dia é Pub10. Começamos a tocar muito no Vitrola Bar também, o público lá é insano. Adoramos tocar em ambos os locais, que na verdade são os dois espaços voltados ao rock aqui em Campina e que mais dão abertura e liberdade às bandas locais. Tocamos também no palco do rock na Nova Consciência, que foi montado no viaduto por dois anos seguidos, na festa anual de Design, que por sinal foi muito boa, mas a maioria dos shows ocorre no atual Pub10 ou no Vitrola Bar.


Há resistência em ser uma banda de rock numa cidade conhecida por fazer um dos maiores eventos de forró do planeta?

Hoje em dia acho que a resistência é bem menor, visto o espaço que já for galgado, claro que toda cena tem suas dificuldades e aqui não é diferente. As bandas daqui (claro que isso não vale para o mês de junho) não perdem público para os eventos voltados ao forró porque as propostas são diferentes, o público é outro e também não perdemos espaço porque cada um tem seu local para tocar, claro que se houvesse uma diversidade maior de bares de rock seria bem mais legal, mas levando em consideração o porte da cidade, tem espaço pra todo mundo tocar de boa.


Quais os períodos do ano em que há maior busca pelo rock em Campina Grande?

Os períodos de volta às aulas, com certeza, são os mais movimentados, não só para o rock, mas para todos os outros estilos. É quando a cidade começa a pipocar de shows e festas por todo canto. Os estudantes (principalmente os universitários) voltam de suas cidades e todo mundo chega procurando diversão! Em março, fizemos shows em todos os finais de semana do mês.


No período junino... Como é atuação do núcleo roqueiro na cidade? Em meios aos turistas, há grupos que vem para eventos de rock e alternativo?

O período junino é parado para qualquer outro estilo musical que não seja o forró! Os bares e boates da cidade fecham as portas, em sua maioria, e tudo acontece no Parque do Povo, então todas as tribos acabam se juntando por lá (claro que depois de uma semana ninguém aguenta mais escutar forró), mas, mesmo assim, vai todo mundo. É lá que tudo acontece e todo mundo se reúne. Ano passado, o Bronx Bar abriu no dia 10 de junho (eu lembro porque foi meu aniversário) para um show da Classic Radio, mas o público foi mínimo, só os meus amigos e alguns convidados. As atenções todas se voltam para o Parque do Povo.


Como é o cenário musical em Campina Grande hoje em dia? O movimento alternativo e roqueiro tem se propagado mais?

Esse ponto é delicado. Depois de um tempo tocando, eu aprendi a relativizar essas coisas, essa história da cena vai depender muito do ponto de vista do pessoal, cada um tem sua opinião, o que todos têm em comum são as reclamações (todo mundo gosta muito de reclamar, o que não é muito a minha). É o pessoal do coletivo que reclama dos bares que reclama do público que reclama das bandas que reclama dos bares que reclama dos coletivos entende?!?! Mas no final das contas, tudo acaba se movimentando (é a força do rock n' roll). A minha opinião de quem toca e ao mesmo tempo fica ali de plateia é que o pessoal deveria se "mafiar" menos entende?! A cena só anda quando as bandas se ajudam, falta companheirismo entre o pessoal que toca aqui e falta coragem para dar oportunidade às coisas. Gente que reclama que tá tudo a mesma coisa e quando muda reclama porque do jeito antigo era melhor... É muita acomodação, rivalidade besta. E, se mesmo com isso tudo, a cidade ainda movimenta um público legal, os bares colocam as bandas pra tocar todo final de semana e tem banda de fora que adora de coração tocar aqui em Campina (vide a Gandharva, banda muito boa de Recife), imagine o quão melhor seria se o pessoal tivesse mais companheirismo?!


Há eventos voltados a esses estilos? Há alguma forma de incentivo do poder público municipal e/ou estadual a esses eventos?

Incentivo público para essas coisas não existe! Se existe é muito restrito e isso não chega ao conhecimento geral das bandas, principalmente as que estão começando trabalho autoral. A prefeitura promove o "Rock na consciência" todo ano no período do carnaval, as bandas locais abrem o evento, mas ainda falta organização! O palco é maravilhoso de se tocar, mas não rola cachê para as bandas pequenas (só pras atrações principais). O que eu acho um desrespeito com quem produz arte seja ela de qual estilo for. O SESC tem umas propostas legais, como o evento 7 notas, o festival Overdoze (que nós ganhamos ano passado) mas falta um festival de maior porte, promovido por uma prefeitura ou governo estadual, que desse visibilidade as bandas locais com um trabalho autoral, o potencial da galera é grande, tem público certo para um evento desses, mas isso acaba ficando esquecido!


De onde veio o interesse por cantar clássicos do rock internacional e a influência de bandas como Nirvana, Pink Floyd?

Acho que esse interesse vem da infância, né?! Acho que isso é comum a todos da banda, pelo menos eu, quando era pequena, fazia a vassoura de guitarra, subia em cima da cama com uma escova fazendo de microfone e tentava cantar igual. Depois você cresce, vai arranhando ali um inglês aos poucos, tomando gosto pela coisa, aprende a tocar um ou mais instrumentos e começa naturalmente a correr atrás da galera que queira a mesma coisa que você. Tive a sorte de encontrar os meninos que compartilham da mesma insanidade mental que eu, e hoje a gente usa essa inspiração dos clássicos pra compor e fazer nosso próprio som!


Como é um show da TV and the Sexy Channels? Como é formado o público que busca pelos shows da banda?

Um show da TV é DOIDO! Subimos no palco para tocar o que gostamos e nos divertir, deixar o público bêbado e dançando. Plateia apática não é a nossa. O público que nos procura é justamente a galera que gosta de diversão, que não quer sair de casa pra ficar morgado! Que sai com os amigos para literalmente pular até cair. E pra rir muito também, porque todo show tem um "prezepe" diferente e uma surpresa no repertório, então pode esperar banda fantasiada, striptease no palco, participações especiais, gostamos de movimentação no palco! Isso não pode faltar!


E o que vem por aí?!

A banda passou um tempo parada, passou por mudança de nome e de formação então por enquanto estamos sem agenda! O plano é gravar nosso primeiro EP e voltar aos palcos depois do período junino, lá pra Julho-Agosto.



Kislana Rodrigues e Sinaldo Luna



*Entrevista para matéria do projeto Repórter Universitário

1 comentários:

Muito curtido! Banda muito boa! =D